top of page
Buscar
  • Mariana Preti

Transição energética, energias limpas e tecnologia: tendências para 2024

O Brasil se destaca como um gigante no setor de eletricidade da América Latina, classificando-se como o sexto maior consumidor global e ostentando a sétima maior capacidade de geração do mundo. Segundo dados da Country Commercial Guide, impressionantes 83% da matriz elétrica brasileira são abastecidos por fontes renováveis, muito acima da média global de aproximadamente 25%. 


A indústria de energia renovável tem visto um crescimento consistente, impulsionado principalmente por investimentos privados.


Em preparação para a próxima década, os marcos regulatórios estão evoluindo para incorporar soluções sustentáveis inovadoras, como biocombustíveis, armazenamento de energia, hidrogênio e projetos de energia eólica offshore. 


Além disso, o Brasil está orientando ativamente seu setor industrial para práticas mais verdes, aproveitando sua abundância de recursos renováveis para atrair investimentos internacionais, inclusive por meio de financiamento verde.


A rede elétrica brasileira atende a mais de 88 milhões de consumidores nos setores residencial, comercial e industrial, superando a produção combinada de outras nações sul-americanas.


Ainda segundo a pesquisa da Country C. Guide, as previsões sugerem que os investimentos na infraestrutura elétrica do Brasil ultrapassarão US$ 100 bilhões até 2029, abrangendo projetos de geração em grande escala e distribuída, além de transmissão e distribuição.


Matrizes energéticas no Brasil: grande potencial para inovação tecnológica


Embora a matriz elétrica do Brasil possua notável limpeza, a expansão contínua da energia hidrelétrica enfrenta restrições ambientais, principalmente devido a projetos em larga escala frequentemente situados em regiões remotas. 


Olhando para o futuro, os projetos solares, tanto em escala de utilidade pública quanto distribuída, estão projetados para contribuir com quase 70% da capacidade adicional de eletricidade.


A mistura energética do país também está se diversificando, com um aumento na dependência de fontes como gás natural, energia eólica (em terra e offshore) e bioenergia. Até 2029, a energia eólica deve representar 16% da mistura energética do Brasil, enquanto a geração solar deverá dobrar.


Afinal, se há algo que o mundo moderno exige é a busca por fontes de energia mais limpas e sustentáveis. 


As energias renováveis representam não apenas uma alternativa viável, mas também uma necessidade urgente para mitigar os impactos ambientais e promover uma transição energética mais sustentável. 


O potencial das energias renováveis é inegável, oferecendo não apenas uma solução para os desafios ambientais, mas também oportunidades significativas para o desenvolvimento econômico e a inovação tecnológica, liderando um movimento rumo a um futuro mais verde e próspero, e transformando o mercado.


E, no atual contexto das energias renováveis, uma tendência se destacou em 2023: o fortalecimento do mercado solar. Mas uma outra tendência também é muito importante: os desafios enfrentados pela energia eólica. 


Enquanto a energia solar brilhava com intensidade, impulsionada por avanços tecnológicos e incentivos governamentais, a energia eólica enfrentava ventos contrários…


Questões como pressões de custos, atrasos regulatórios e limitações de infraestrutura afetaram sua capacidade de crescimento.


Nos Estados Unidos, o setor solar despontou, adicionando capacidade em uma escala impressionante entre janeiro e agosto de 2023. 


Com quase 9 gigawatts de capacidade instalada, um aumento notável de 36% em relação ao ano anterior, o solar dominou o mercado, enquanto a energia eólica enfrentou uma queda acentuada de 57% na capacidade adicionada. 


Esse desequilíbrio não apenas reflete a supremacia atual do solar, mas também ressalta a necessidade de superar os obstáculos que estão limitando o potencial da energia eólica.


Apesar dos desafios, as energias renováveis mantiveram sua participação estável na geração de eletricidade nos Estados Unidos, destacando sua resiliência e importância contínua. 


As projeções otimistas da Administração de Informações sobre Energia dos Estados Unidos indicam um futuro promissor para o setor solar, com previsão de dobrar a capacidade instalada até o final de 2023.


G 20: reunião dos países mais desenvolvidos do mundo tem foco voltado para a questão energética


Na segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024, o grupo das 20 maiores economias do mundo está realizando o Fórum Brasileiro de Finanças Climáticas, um evento dedicado a debater a agenda do G20 Social, que precede a reunião do bloco.


O financiamento climático é o tema central da discussão, caracterizando-se como "fundos e mecanismos de financiamento, estabelecidos ou regulados internacionalmente, para apoiar países na transição climática e no combate aos seus efeitos", conforme definido pela Fundação Getulio Vargas (FGV).


O propósito do financiamento climático é fornecer recursos financeiros e técnicos para projetos e programas que promovam a redução de emissões de gases de efeito estufa, a proteção contra os impactos das mudanças climáticas e a promoção de uma transição energética justa e sustentável.


Dentre as áreas que recebem investimentos destacam-se a energia renovável, a eficiência energética, a agricultura climaticamente inteligente e as medidas de adaptação ao clima. 


Esses investimentos são essenciais para impulsionar a transição para uma economia de baixo carbono e garantir um futuro mais resiliente e sustentável para todos.


A crescente urgência em enfrentar os desafios das mudanças climáticas exige ações concretas e imediatas. 


No momento atual, em que a busca por soluções energéticas sustentáveis é uma prioridade inegável, eventos como o Fórum Brasileiro de Finanças Climáticas, que precede a reunião do G20, ganham ainda mais relevância. 


Esses fóruns representam uma oportunidade crucial para avaliar e debater estratégias concretas que impulsionem a transição para um modelo energético mais limpo e resiliente.

Inovação tecnológica no setor energético


Mas além disso, a inovação tecnológica também é primordial para o real aproveitamento do potencial do setor energético. Empresas e investidores desse segmento devem compreender a importância vital de investir em tecnologia para impulsionar a transição para um modelo energético mais eficiente e sustentável.


A inovação tecnológica oferece oportunidades ímpares para otimizar a eficiência, reduzir custos e maximizar a exploração das energias renováveis. 


Avanços em áreas como armazenamento de energia, redes inteligentes, inteligência artificial e monitoramento remoto têm o potencial de revolucionar a forma como produzimos, distribuímos e consumimos energia.


Empresas que adotam uma abordagem proativa em relação à inovação tecnológica estão posicionadas para liderar o mercado e colher os benefícios econômicos e ambientais associados à transição energética. 


Ao investir em pesquisa e desenvolvimento de tecnologias limpas e sustentáveis, essas empresas não apenas impulsionam a inovação, mas também contribuem para a construção de um futuro mais verde e próspero para todos.


É crucial que as empresas do setor energético se mobilizem agora para investir em tecnologia e aproveitar todo o potencial das energias renováveis. 


Aqueles que reconhecem a importância crítica de investir em tecnologia hoje serão os pioneiros na construção de um futuro energético mais limpo, eficiente e sustentável para as gerações futuras.

O futuro do setor energético


O ano de 2024 mal começou e já se mostra como o ano em que poderemos testemunhar grandes avanços no setor energético. 


Nos EUA, o impacto de longo prazo de bilhões de dólares em gastos do governo e incentivos fiscais na fabricação e infraestrutura por meio do IRA, da Lei CHIPS e do IIJA será forte. 


Essa injeção de capital já começou em meio a um mercado de trabalho muito apertado, volatilidade nos preços de energia e esforços contínuos para reduzir as emissões de carbono nos setores de energia e industrial. 


As previsões da Deloitte para 2024 nos setores de energia, recursos e industriais, que abrangem manufatura, química, engenharia e construção, aeroespacial e defesa, energia elétrica e serviços públicos, petróleo e gás e energias renováveis, destacam os principais pontos de inflexão, oportunidades e desafios esperados no próximo ano.


Nos EAU, investimentos federais impulsionam seu crescimento, prevendo-se um aumento de 17% até 42 GW nos EUA em 2024, representando cerca de um quarto da geração total de eletricidade. 


Apesar dos desafios de custos temporários, incentivos fiscais tornam a energia solar e eólica competitivas. 


A demanda por descarbonização impulsiona metas ambiciosas, com estados e concessionárias estabelecendo objetivos de redução de emissões e aumento da participação de renováveis. Grandes corporações aderem a iniciativas como o RE100.


Esses dados representam um cenário promissor para o crescimento e a adoção das energias renováveis, destacando sua importância crescente na matriz energética global. 


O aumento significativo na capacidade instalada de energias renováveis nos Estados Unidos evidencia uma mudança em direção a fontes mais limpas e sustentáveis de energia. 


Além disso, as metas de descarbonização estabelecidas por governos e empresas refletem o reconhecimento da necessidade de reduzir as emissões de gases de efeito estufa e enfrentar os desafios das mudanças climáticas. 


O engajamento de grandes corporações em iniciativas de energia renovável demonstra o crescente interesse do setor privado em adotar práticas mais sustentáveis. 


A ênfase na inovação tecnológica destaca a importância de desenvolver novas soluções e avanços tecnológicos para impulsionar ainda mais o crescimento das energias renováveis e maximizar seu potencial de contribuir para um futuro energético mais sustentável e resiliente.


9 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page