Buscar
  • connectdata

IoT: Por Um Canteiro de Obras High Tech

Há 59 anos, o lendário Hanna Barbera exibia o primeiro episódio do desenho animado “Os Jetsons" – família que vivia em 2062, com todas as facilidades do futuro tecnológico. Os carros eram voadores, o trabalho automatizado, os aparelhos domésticos funcionavam sozinhos e os personagens conversavam por videoconferência. Tudo aquilo despertava muita curiosidade aos telespectadores, ao mesmo tempo em que, à época, se distanciava do que imaginaríamos ser possível realizar.

O tempo passou e a tecnologia evoluiu vertiginosamente a ponto de desconhecermos o potencial em nosso cotidiano. E o que parecia ser uma simples animação de ficção científica praticamente foi incorporada ao nosso dia a dia. Os carros ainda não são voadores, mas possuem dispositivos de última geração que informam o motorista sobre tudo, graças à Internet das Coisas (IoT).

A casa já pode ser inteligente e as metrópoles também, com luzes programadas e acionadas conforme a necessidade, assim como os sistemas de segurança e muito mais. A animação acertou em muitas previsões: robôs que ajudam a limpar a casa e relógios de pulso inteligentes (smartwatches) já são uma realidade nos dias de hoje.

Muitos outros aparelhos domésticos já ligam e desligam sozinhos pelos mesmos motivos. E a videoconferência? Esta então, nem se fala, tornou-se condição sine qua non no mundo corporativo e também doméstico, principalmente com a chegada da pandemia.


A IoT Está Em Tudo

Conectar o mundo físico ao tecnológico – o off-line ao on-line – para facilitar o nosso dia a dia é o objetivo da IoT. A tecnologia permite que objetos se comuniquem graças à internet, por isso é usada em diversos setores. Está presente na medicina, com monitoramento de estoques de sangue e da temperatura de armazenamento de medicamentos e vacinas, por exemplo. Caso os sensores identifiquem falhas na conservação, eles acionam as equipes para que tomem providências.

No agronegócio há centenas de benefícios, auxilia no aumento da produtividade, redução de custos e diminuição de perdas. Rebanhos monitorados por chips que enviam informações sobre a saúde e o comportamento do animal são um dos exemplos.

Estes são alguns setores da economia em que a IoT vem se aprimorando cada vez mais. Mas e a construção civil? Temos discutido recorrentemente aqui em nossos canais o quão benéfica a digitalização será ao setor, historicamente conhecido pela baixa produtividade.


Digitalização: A Solução Para Produtividade

No início do nosso texto falamos sobre a animação “Os Jetsons”, que viviam numa realidade onde tudo funcionava. A casa da família faz parte do imaginário de muitos de nós: agilidade na rotina diária, menos tempo gasto em tarefas operacionais desgastantes e mais qualidade de vida.

Fazendo uma analogia ao mundo corporativo, mais especificamente à construção civil, assim pode ser um canteiro de obras. Atividades realizadas com exatidão, todas programadas e monitoradas. O resultado é mais produtividade, menos desperdícios e alta qualidade nos projetos entregues.

Parece sonho, mas não é. A tecnologia já faz parte da rotina de algumas empresas do setor, cujos projetos são desenvolvidos de forma colaborativa em ambiente virtual, por meio do Building Information Modeling (BIM). Trata-se de uma modelagem de construção apoiada por diversas ferramentas de informática que organizam e disponibilizam a informação de cada etapa da edificação, permitindo o trabalho colaborativo e simultâneo de diferentes profissionais.

Também faz parte dessa realidade o uso de aplicativos para celulares e tablets que permitem a gestão da obra à distância, drones que auxiliam a inspeção das estruturas erguidas e sistemas de rastreamento que monitoram o movimento dos materiais, ativos e equipes no canteiro de obras.

Um estudo da consultoria norte-americana McKinsey, divulgado em 2019, constatou que globalmente a produtividade na construção evoluiu 1% ao ano nas últimas duas décadas, bem abaixo do crescimento do setor industrial como um todo, de 3,6% ao ano. A construção é uma das atividades menos digitais do mundo – uma das causas de sua menor produtividade. O mesmo estudo avalia que o uso de tecnologia digital, a automação de processos, a capacitação da mão de obra e a produção em massa em processos industriais têm potencial de aumentar cada vez mais a produtividade do setor.


29 visualizações0 comentário